segunda-feira, 29 de julho de 2013

Session 29/07/13 - NL10 - 6max - Pokerstars


Como cobrar o preço dos marxistas culturais pelo desrespeito praticado no evento da JMJ

por Luciano Ayan

ap_photo_silvia_izquierdo_1

Como eu sou ateu, mas jamais um humanista, eu me solidarizo com muitos católicos que estão revoltados com o desrespeito praticado pela escória de sempre (humanistas, marxistas, gayzistas e feministas) de membros da Marcha das Vadias invadindo evento da JMJ. Só que agora é o momento da ação estratégica, ao invés da reação emocional.
A mídia de esquerda, obviamente, está escondendo as imagens das provocações, mas ei-las:


Clique para ampliar
Clique para ampliarClique para ampliar

Em relação a última das imagens (a baixo), veja a descrição encontrada no Facebook:
Clique para ampliarEm seguida, os manifestantes quebraram as imagens e as cruzes. Por fim, uma manifestante pegou o que sobrava de uma cruz, colocou camisinha em sua base e a enfiou no ânus de seu parceiro de encenação. Tal ato assustou até mesmo outros manifestantes que não esperavam tanta ousadia. Uma delas disse que colocaria uma máscara para não ser reconhecida, já que receava represálias no trabalho.
O que os católicos deveriam fazer em relação a isso?
Um amigo sugeriu que os católicos processarem os organizadores da Marcha das Vadias, mas isso não vai gerar efeito algum, até por que a Marcha das Vadias poderá dizer que a ação foi feita por anônimos e de forma espontânea. O resultado, em termos estratégicos, será nulo.
Obviamente este post é para todos os leitores, mas a partir de agora vou me dirigir ao público católico. (E quem não for católico, pode continuar lendo, até para ajudá-os a seguir as dicas)
Uma coisa que aprendi com Sam Harris, e que jamais vou esquecer, é que aos discursos (inclusive visuais, como nos casos acima) devemos sempre anexar um preço. Se o discurso de um oponente for ridículo, temos que cobrar esse preço. Em suma, alguém não pode lançar mensagens estúpidas impunemente, pois há um preço a ser pago por isso, e o preço é o da ridicularização.
Exemplos praticados pelo neo-ateísmo são múltiplos, mas em especial vejamos o caso de Sarah Palin. Quando ela declara ser a favor do criacionismo, eles cobram o preço desta declaração e a ridicularizam em público de forma a demolir possibilidades eleitorais dela. Esquerdistas e humanistas, portanto, sabem cobrar o preço de declarações de seus oponentes. Esta é a regra que defendo aqui.
O que proponho é que vocês, católicos, façam exatamente o mesmo. Anexem o preço na mensagem do oponente, e, como ela é ridicula, cobrem o preço. Simples assim.
Como fazer isso? Criem memes, posts rápidos e correntes, aos milhares, mostrando o baixíssimo nível moral do movimento feminista atual e do movimento gayzista. Dividam o custo, e deixem uma parte dele ser pago pelos neo-ateus. Mostrem que é esse tipo de coisa que querem ensinar aos seus filhos nas escolas com o “Kit gay”.
Se o esquerdista disser “Mas não são todos que fazem isso, só uma minoria”, retruque dizendo que essa minoria está financiada por uma maioria deles e por um discurso de ódio que eles criaram. Diga também que eles, da Marcha das Vadias, tinham poder para impedir que a duplinha fizesse a baixaria acima. Então, não tem desculpinha para esquerdista. A ridicularização tem que ser lançada sobre todo movimento humanista, feminista e gayzista. Além do mais, 3 milhões de católicos reunidos, e nenhum deles fez uma baixaria assim. Por que no meio de centenas do lado gayzista/feminista/humanista, surgiram dois que apelaram deste jeito? Incluam esse fato nas mensagens de ridicularização sobre eles.
Mais ainda: basta colocar as imagens da Marta Suplicy e de vários políticos do PT financiando os gayzistas e as feministas, e daí compartilhem parte do custo com eles. Não se esqueçam de que o preço a ser pago deve ser dividido entre os feministas, os gayzistas, os humanistas e o PT. Depois mostrem que toda essa baixaria acima está sendo financiada com o dinheiro público.
Esta é a lição simples. Cobrem o preço das atitudes ridículas feitas pelo seu inimigo, e o preço é a ridicularização pública. Mas, caso você não cobre, você paga este preço, e esta uma contingência da qual não podemos fugir. Em tudo que tenho estudado sobre ciência política, descobri esta regra incontornável: se uma alegação política for feita, e você não cobrar o preço desta alegação de seu oponente, então você paga por ela.
Quando os nazistas começaram, 60 anos antes do Holocausto, a divulgar conteúdo anti-semita extremado, o preço poderia ter sido cobrado desses autores nazistas, com a exposição pública do quão ridículo e abjeto era este conteúdo. Obras como “Apoiando  Hitler”, de Robert Gellatelly, nos mostram que os intelectuais judeus agiram de forma oposta. Usaram a técnica do “vamos deixar pra lá”, ao invés de cobrar o preço dos nazistas. Aí a regra mostrando que não existe alegação política grátis é implacável: “Você não quer cobrar o preço das declarações absurdas do seu oponente. Não tem problema. Você paga”. O preço foi pago pelos judeus nos campos de concentração.
A pergunta que faço é: você estão dispostos a pagar o preço disso tudo que os gayzistas/humanistas/feministas fizeram, em aliança com o PT, ou irão cobrar o preço deles?  Esta é a decisão a ser tomada no interior de cada um. Caso você tome a decisão de não pagar o preço, mas sim cobrá-lo do oponente, você está enfim pronto para gerar resultados políticos…

Retirado do blog: http://lucianoayan.com

sábado, 27 de julho de 2013

Nova Sessão de Cash e sobre o Papa e a Igreja.


Mais uma vez, passada a angústia das sessões anteriores, resolvi jogar cash 6max e vejam só o resultado.
Eu sei que havia dito que não iria mais jogar cash, mas apenas MTT, no entanto, jogando MTT, apesar de não haver grandes perdas e consequentes angústias, não é a mesma coisa de se jogar cash. Sinceramente parece outro jogo de poker e um tanto quanto monótono.. 

Enfim, se for para jogar poker, tenho que me dedicar ao cash. Mas para isso também tenho que aprender a manter o sangue frio (como mantive nesta sessão) e jogar sempre concentrado.

Nas últimas sessões de cash (antes desta) estava jogando entre 6 e 10 mesas, mas nesta última joguei apenas 5 mesas e mais ou menos 750 mãos em 1 hora e meia e vou manter este padrão.

Neste últimos dias, também pensei em parar de jogar de uma vez por todas, e até acho que conseguiria tranquilamente, mas a verdade é que eu gosto desse jogo, do lado psicológico que o envolve, da adrenalina, do alto valor que as observações, estudo e experiência tem.

Além do mais, devo muito ao poker. Houve uma época em que o único motivo de sair de casa era o jogo de poker nas sextas a noite com alguns amigos. O poker me ajudou a retomar e reconstruir a minha vida. Naquele reinício, meus colegas de mesas me respeitavam pelo alto conhecimento que eu tinha sobre o jogo e foi através daquelas noites de sextas mais sociais, que eu retomei o respeito que até então eu tinha perdido, reconstrui algumas amizades desfeitas, conheci novas pessoas maravilhosas e hoje, tenho emprego, namorada, uma vida social e todos aqueles amigos e outros novos, me respeitam não por ser um bom jogador (acho que nem sou, sinceramente), mas porque me conheceram mais de perto e viram uma boa pessoa.
Por isso, devo muito ao poker, acredito sinceramente, que foi um instrumento de Deus na reconstrução da minha vida e gosto de mais deste jogo para abandoná-lo.

Mudando um poco de assunto, quão maravilhoso é o nosso Papa!! Não é à toa que todos estão apaixonados por esse homem de Deus. 
O número de pessoas que voltarão à igreja, sem dúvida vai ser enorme e se Deus quiser, eu estarei no meio delas.
Eu sou daquelas pessoas como que "terrenos cheios de pedra". Em vários momentos, sinto que me apaixono outra vez pela igreja, pela vida dos santos, mas logo perco o foco e esqueço o sentimento do dia anterior e volto a ser indiferente. Sou "de momento" como diz Jesus em (Mt 13,18-23), mas não quero mais sê-lo!

Eu sou um pobre pecador, de pecados horrendos a pecados veniais, mas todos contra mim mesmo, em sua grande maioria. 
Quando estou rezando constantemente, sinto que fico mais forte, fico menos vulnerável ao pecado, a vida fica mais leve, é como se eu me reconciliasse comigo mesmo. Quando paro de rezar, fico indiferente ao pecado, ao sentimento de culpa e muitas vezes sinto que apesar de toda a luta do dia a dia e de algumas vitórias e momentos de alegria, no geral me falta "motivos" para continuar.
 
Além disso, sempre tive momentos claros da intervenção divina na minha vida. Também já tive momentos de profunda sensibilidade e de alguma espiritualidade, como por exemplo, durante o sofrimento de João Paulo II. Durante aqueles dias, lembro claramente como o meu peito doía e algo me dizia: "Veja novamente o calvário de Cristo."

Hoje João Paulo II está prestes a se tornar santo. E analogamente como naqueles dias, sinto que todos nós estamos vivendo uma oportunidade ímpar, um novo paradigma, um momento claro de obervarmos o tamanho e a autenticidade da Igreja. 
Creio que como São Francisco foi chamado a fazer e o fez, este Francisco de nossos tempos também está resconstruindo a Igreja em cada beijo em cada criança, a cada sorriso, a cada discurso, a cada gesto. 
E essa reconstrução passa pela reconciliação de muitos para com a sua Igreja de batismo e única verdadeira. Eu sei que este é um modo imperfeito de retornar a igreja, mas o que importa é que voltemos e nos entreguemos, e uma vez nesta igreja, nos deixemos embalar pela doutrina, pelo evangelho, pela eucaristia, pelos sacramentos, pela leitura da vida dos santos, pela oração constante e por este momento maravilhoso.

Vou me confessar! Me decidi! Não vou mais fugir!! E espero que a partir desta confissão, nunca mais eu tenha a convardia de abandonar a igreja.

Que Deus me abençoe e me dê forças pra perseverar e quando faltar forças e cair, que Ele não me deixe perseverar no pecado.

Abraço.

Francisco Junior

Papa Francisco encontra representantes de etnias indigenas no Theatro Municipal.


Sandálias da humildade para Marco Feliciano

Marco Feliciano está enciumado com a receptividade que o papa Francisco vem recebendo no Brasil. Agora resolveu comparar-se ao pontífice. Diz Feliciano:
- O papa é político, eu também. Assim como eu, o papa condena casamento de pessoas do mesmo sexo, a descriminalização das drogas e o aborto. Mas, no caso dele, a mídia aplaude. Por que o papa é tratado como popstar, ovacionado, e eu, tão atacado?
Em seguida, o deputado pastor mirou na Rede Globo:
- Onde estava a TV Globo, que não mostrou as manifestações contrárias ao papa, o beijaço e etc? Isso é discriminação religiosa contra mim, contra o pastor Silas Malafia e outros.


***

Nota do FreI: Não, Feliciano, mais humildade. Você é um bostinha. É apenas uma vítima feliz de um choque de obscurantismos, o obscurantismo evangélico contra o obscurantismo gayzista. Você nem é digno de se comparar a Silas Malafaia, que tem muito mais tutano, culhões e base religiosa que você. Aliás, vale sempre a pena ver o "Tô na benção, tô com Dilma" da sua eleição, cantando e andando para o aborto e o ateismo comunista do PT. Silas Malafaia nunca teve arroubos de se comparar ao Sucessor de Pedro, pelo menos em público. Aliás, eis a razão da diferença de tratamentos. Francisco é papa, e Feliciano é um bostinha da bancada alugada evangélica do governo, que ficou notório porque a Gaystapo é tão histérica que mete os pés pelas mãos. E você não tem as mesmas opiniões do papa. Se realmente fosse contra o aborto, rompia com o governo. Eis uma diferença, você é hipócrita, o papa não.
O papa não é político. É sacerdote e bispo. É um religioso. Você é político. Sua igrejola, nem sei de onde surgiu e para onde vai. A de Francisco surgiu no Pentescostes. Se você lesse a Bíblia direito, seria católico. Como não lê, é o que é.
Esse comentário de Feliciano me lembra da fábula do escorpião e do sapo, em que o escorpião não resiste e ferroa o sapo que lhe ajuda por ser sua natureza. Por mais que nos animemos com alguns líderes evangélicos quando agem certo, é da natureza deles serem personalistas, ciumentos, sem preparo, sem a mínima vida espiritual, ambiciosos e arrogantes. Ah sim, Feliciano agiu certo em enfrentar a Gaystapo. Mas não nega suas origens e seu despreparo. Feliciano é mais hábil no Congresso que no púlpito. Que vista as sandálias de Renan Calheiros, nao as de Calvino ao menos!
Essa mania destes Jim Jones brasileiros de se acharem os reis da cocada preta é vergonhosa. Edir Macedo, o casal "apóstolo" Hernandez, o que foi preso entrando nos EUA cheios de dólares nas Bíblias, querendo se comparar e rivalizar com a Igreja é risível, risível. Fenecerão como a erva, e não deixarão legado. Mesmo o todo-poderoso Edir Macedo enfrenta seu ocaso. 
Lixo, lixo, lixo!

Retirado do blog http://freirojao.blogspot.com.br

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Tem verdadeiras atrocidades que nos são impostas como direitos (culpa da democracia), mas que só servem para espalhar uma cultura de morte, de egoísmo, cultura do "quem é inútil para mim é descartável"..

Enfim, há certos direitos individuais que são puros estupros a bondade e a sociedade construida sobre a família..

A Ditadura tinha lá o seu lado positivo..

terça-feira, 23 de julho de 2013

Novidades


Ontém fiz a prova da proficiência em espanhol. Acho que fui bem. É tão bom ler um texto em outra língua e perceber que de fato vc entende 95% das palavras. Claro que espanhol é fácil de se entender mesmo, mas também tive essa sensação hoje vendo um padre espanhol falar na tv. Consegui entender praticamente tudo o que ele falou, inclusive aquelas palavras que não são parecidas com suas traduções em português. Isso só me dá vontade de continuar estudando ainda mais, inclusive inglês, pois estou fazendo um curso on line da CAPES/MEC e acho que também estou tendo progressos.

Daqui a 3 semanas apresento meu tcc/dissertação. Já estou ansioso e nervoso de agora, mas acho que vai ser mais tranquilo do que quando apresentei o tcc da graduação. Pelo menos o meu orientador elogiou várias vezes meu trabalho, assim como um dos membros da banca. O outro membro que vai ser uma mulher da UFBA, eu não conheço, mas o professor disse que eu ficasse calmo, não tinha motivos pra ficar nervoso.

Vamos ver..

Outro fato é que desisti do cash game. Minha praia é mesmo os MTTs. Se é pra dedicar horas a um jogo, que pelo menos ele seja o menos angustiante e mais lucrativo possível. E isto eu só consigo jogando MTT. Vou ver se não caio na tentação de jogar cash novamente. rsrs

Por falar em tentação, estou pensando em me confessar, depois de sei lá, uns 10 anos.. rsrs.. Vai ser bom pra mim, sem sombra de dúvida..

No resto, tudo tranquilo e bem, graças a Deus. Só com um pouco de falta de paciência em um ou outro momento ao lidar com pessoas meio complicadas. Mas isso também faz parte do aprendizado.

Abraço e boa noite.

"Não sou católico, e nem estou defendendo o catolicismo, mas fico impressionado ao ver a quantidade de gente ofendendo o Papa, o chamando de hipócrita por andar em um carro simples. Então ser sincero é o que ? Andar de avião particular como o ''Bispo'' Macedo ? Dirigir carros milionários como o ''Pr.'' Silas e depois pedir oferta na TV dizendo que precisa desse dinheiro para a ''Obra'' ? Se hospedar em hotéis 5 estrelas na Europa com a desculpa de ''pregar'' como o R.R Soares ? Por favor, se querem julgar, olhem primeiro para os seus ''paradigmas'' antes de acusar outros!"

Jô Soares.

terça-feira, 16 de julho de 2013

A vida de Buda


 Essa é uma animação bastante legal da história de Buda.

Simpatizo bastante com "esse cara" e com o Budismo. Vejo bastantes semelhanças com o Cristianismo na minha limitadíssima compreensão do Cristianismo.

Buda de certo me lembra São Francisco de Assis.

Session NL5 - Pokerstars

 

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Session NL5 - Pokerstars


Prova matemática da existência de Deus



Cientista, ex-Presidente da Academia de Ciências de Nova York.

Ainda estamos no amanhecer da era científica, e todo o aumento da luz revela mais e mais a obra de um Criador inteligente.

Nós fizemos descobertas estupendas; com um espírito de humildade científica e de fé fundamentada no conhecimento estamos nos aproximando de uma consciência de Deus.

Eis algumas razões para minha fé: Através da lei matemática podemos provar sem erro que nosso universo foi projetado e foi executado por uma grande inteligência de engenharia.

Suponha que você coloque dez moedas de um centavo, marcadas de um a dez, em seu bolso e lhes dê uma boa agitada. Agora tente pegá-las na ordem de um a dez, pegando uma moeda a cada vez que você agita o bolso. Matematicamente sabemos que:
 
A chance de pegar a número um é de um em dez;
 
De pegar a um e a dois em seqüência é de um em 100;
 
De pegar a um, dois e três em seqüência é de um em 1000 e assim por diante;
 
Sua chance de pegar todas as moedas, em seqüência, seria de um em dez bilhões.

Pelo mesmo raciocínio, são necessárias as mesmas condições para a vida na Terra ter acontecido por acaso:

- A Terra gira em seu eixo 1000 milhas por hora no Equador; se ela girasse 100 milhas por hora, nossos dias e noites seriam dez vezes mais longos e o Sol provavelmente queimaria nossa vegetação de dia enquanto a noite longa gelaria qualquer broto que sobrevivesse.

- Novamente o Sol, fonte de nossa vida, tem uma temperatura de superfície de 10.000 graus Fahrenheit, e nossa Terra está distante bastante para que esta “vida eterna” nos esquente só o suficiente! Se o Sol desse somente metade de sua radiação atual, nós congelaríamos, e se desse muito mais, nos assaria.

- A inclinação da Terra a um ângulo de 23 graus, nos dá nossas estações; se a Terra não tivesse sido inclinada assim, vapores do oceano moveriam-se norte e sul, tranformando-nos em continentes de gelo.

- Se nossa lua fosse, digamos, só 50.000 milhas mais longe do que hoje, nossas marés poderiam ser tão enormes que duas vezes por dia os continentes seriam submergidos; até mesmo as mais altas montanhas se encobririam.

- Se a crosta da Terra fosse só dez pés mais espessa, não haveria oxigênio para a vida.

- Se o oceano fosse só dez pés mais fundo o gás carbônico e o oxigênio seriam absorvidos e a vida vegetal não poderia existir.

É perante estes e outros exemplos que não há uma chance em um bilhão que a vida em nosso planeta seja um acidente.

É cientificamente comprovado o que o salmista disse:

“Os céus declaram a Glória de Deus e o firmamento as obras de Suas mãos.”

A. Cressy Morrison.
Fonte: Guia.heu.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

The Quick Guide to Skyrocketing Your Poker and Life Productivity

Olá, boa noite. Em meio a tantas chuvas aqui em Maceió resolvi dar uma passeada em alguns sites de poker, possivelmente para ler alguns artigos e me deparei com um post de um membro da pokerstrategy no qual, ele busca traduzir uma famosa série de artigos de nome The Quick Guide to Skyrocketing Your Poker and Life Productivity.

Neste guia, o autor busca mostrar como ele conseguir se desenvolver como pessoa, homem de negócios, jogador de poker e de um modo geral.
O que ele faz basicamente é ensinar o leitor a refletir sobre sua própria vida, seus sonhos, objetivos, realidade atual, futuro, passado, etc, e depois ensina cada um a se planejar através de pequenas mudanças programadas para que cada um consiga alcançar os objetivos traçados, no trabalho, no poker, na vida.

Eu particularmente acredito que para alguém tão preguiçoso consegui alcançar algumas metas importantes: tenho 2 empregos que gosto (apesar de tudo), namoro, pratico esporte 2 vezes por semana, passei num concurso importante, do qual estou aguardando a convocação, estou prestes a terminar o mestrado profissional.

Mas acredito que essas pequenas vitórias se devem basicamente a um dom que tenho de saber identificar prioridades e de também conseguir me dedicar a elas (apenas quando elas realmente são fundamentais).

Tirando isso, eu infelizmente (ou felizmente) percebi que na verdade, sou muito pouco eficiente. 

Desde muito tempo, há uns 5 anos, eu sempre escrevo como serão os meus dias, o que farei em cada dia, mas acredito que nunca houve uma semana sequer que segui a risca essas programações e o pior de tudo: sempre estou alterando essas programações. Já virou quase uma compulsão.

E o poker é uma parte importante dessa falta de eficiência. Já quis me dedicar com afinco aos cash games, já fui lucrativo por um tempo, depois de momentos ruins, costumo relaxar e jogar meu B ou C-game, enfim acabo andonando meus planejamentos iniciais. Depois repenso sobre o ocorrido, programo horas de estudo e de jogo e volto a cometer o mesmo pecado.

Neste início de ano comecei a jogar MTTs e realmente consegui ser lucrativo. Foi aí que decidi tentar voltar a jogar cash e tudo foi bem no início, mas depois tudo foi por água abaixo em sessões ruins, jutando bad beats, tilt, revolta e cansaço.

Enfim, para quem joga poker, é natural subir e descer de limites, sofrer bad beats, down swings, mas é lugar comum, que um jogador que pensa em levar o jogo a sério não pode tiltar e sempre tem que jogar o seu melhor jogo e tomar as melhores decisões e é nesse ponto que eu preciso melhorar e muito!!

Eu sei que jogo bem, sei o que tenho que fazer, mas geralmente o fator psicológico me vence e eu acabo perdendo algumas stacks em spots que eu poderia evitar se pensasse racionalmente.

Além disso, também descobri que "talvez" queira seguir carreira acadêmica. Fazer mestrado acadêmico, talvez o doutorado. Não pensando no lado financeiro, mas porque hoje acabei admitindo que realmente gosto e quero estudar, apenas por estudar, apenas porque pra mim é uma forma de eu desafiar a mim mesmo e de estudar coisas que pra mim são mais interessantes do que outras.

Por isso acabei me decidindo que dessa vez não vou fugir do meu novo planejamento e nele estão incluídos 5 sessões de cash, momentos de estudo do poker com artigos e vídeos e momentos nos quais começarei a me dedicar ao 'desejo' de estudar matemática, não para passar em algum concurso, nem para dar aula, mas apenas pelo prazer de adquirir conhecimento.

Espero conseguir me policiar e seguir este novo projeto e para isso, este blog será de fundamental importância. (também gostaria de receber os comentários de quem sempre acompanha este blog).

Sempre que possível vou postar, o resultado das minhas sessões, lobys de mesas finais de torneios e os livros de matemática que estarei estudando.

Sei que já fiz esta promessa aqui neste blog algumas vezes, mas desta vez é pra valer ou então se dessa vez não der certo, abandono o poker de vez.

Até mais.